Caixa de dicas

Para navegar na "Escola Filosófica" escolha um assunto na barra lateral direita e acesse os conteúdos presentes. No caso de atuais alunos, os trabalhos requeridos em sala de aula estarão contidos em "exercícios" - vocês encontrarão possíveis dicas em matérias.

A "Escola Filosófica" está ON novamente!!

Digno de devaneios..

Boa noite, nobres companheiros!

O tema abordado hoje, por este gentil servo que lhes fala, será "comportamento". Anunciando-me desta maneira pareço vago e confuso - necessitamos, pois, delimitar nosso campo. Vamos refletir, se permitirem, acerca do comportamento em salas de aulas - focando-me nas diferenças entre alunos e alunas, e amparadas pela minha experiência cotidiana.

A pergunta filosófica central é: existem diferenças entre gêneros que permitem generalizar comportamentos?

Comecemos analisando nosso campo de estudo. A sala de aula é, antes de mais nada, um âmbito plural e, possivelmente, o primeiro contato "socializante" no qual nossas crianças estão inseridas. Entendendo dessa forma, a escola torna-se ambiente de interações sem intervenção direta dos pais - fazendo com que seja a primeira experiência de independência. Ou seja, cabe à escola lidar com todos estes problemas - mas vamos adiante, senão não chegaremos ao ponto mencionado.

Já que a escola, no fundamento, possui uma tarefa de contato entre membros, torna-se uma "microsociedade": simula, entre seus componentes, toda uma sociedade - embora de forma reduzida...! Os cidadãos, o prefeito, os mercadores - todos estão lá, embora como alunos, diretores, cantineiros... isso ajuda-nos a reconsiderar a escola como espaço político. Seus membros, compostos de homens e mulheres, diferem-se entre si, obviamente - e chego, portanto, no clamado ponto.

Homens e mulheres, tanto na escola quanto numa "macrosociedade", se difem de muitas formas. Vemos gritantes diferenças numa instituição escolar porque é nesta em que há o desenvolvimento psiquico e biológico dos jovens, além do já citado "primeiro contato socializante". Com o tempo muitas diferenças tendem a desaparecer - embora outras se mantenham.

É reducionista tratar os meninos como brigões e as meninas como o extremo oposto: todos estes fatores são produtos culturais e em outro momento será explicado. Lidar com seres humanos é lidar com o imprevisto, com o nem sempre lógico. Problemas comportamentais não escolhem gênero e rotular ocasiona uma situação pré-conceituosa (entendida como algo antes de um conceito).

A conclusão que chegamos é: um espaço plural, como a escola, na qual temos alunos e alunas, reproduz fielmente uma sociedade - não há, portanto, possibilidade de rotularmos alunos. Se quisermos compreender porque há tantas diferenças deveremos considerar como base de interpretação: o social e o biológico.

Digno de devaneios, mas também de filosofia!

Ps.: Percebemos, a cada dia que se passa, mais discussões girando em torno do gênero - mulheres chegando ao poder, equiparando os salários, etc - e faço questão de tratar isto em outro tópico!

Um comentário:

  1. Uma parte me chamou mais atenção. Nunca tinha parado para refletir como a escola é um ambiente extremamente político. E agora refletindo sobre o assunto vejo que é tudo igualzinho, os mesmos papéis. Enfim, devaneios a parte, né?

    ResponderExcluir

Entrem em contato comigo!

danilosvagera@hotmail.com

Contador