Caixa de dicas

Para navegar na "Escola Filosófica" escolha um assunto na barra lateral direita e acesse os conteúdos presentes. No caso de atuais alunos, os trabalhos requeridos em sala de aula estarão contidos em "exercícios" - vocês encontrarão possíveis dicas em matérias.

A "Escola Filosófica" está ON novamente!!

Espírito do Tempo


Muitos alunos perguntam-me à respeito do filme Zeitgeist, produzido em 2007 por Peter Joseph. Para aqueles que não o conhecem, o respectivo filme apresenta "teorias da conspiração"* acerca do Cristianismo, do 11 de Setembro e de fatos políticos. Visto tais solicitações, dedico o post de hoje à esclarecer alguns pontos cruciais do filme.

Antes de mais nada: pensar filosoficamente implica em absorver determinado fato e analisar com criticismo e discernimento.

Primeiramente, muitos se chocam com as supostas "revelações" feitas em Zeitgeist. Neste caso, temos de partir do pressuposto que tudo ali abordado tem como propulsor visões divergentes dos fatos noticiados: optar pela verdade incondicional do filme é, antes de mais nada, aderir ao imediatismo - portanto, ao não filosófico. A discordância é fundamental em qualquer campo e o filme apresenta apenas mais uma visão de mundo que amplia nossos horizontes - mas não o esgota.

Deste modo, uma possível "confusão mental" decorrente do filme é interessante filosoficamente - pois, lembrem-se de Aristóteles, "A filosofia nasce do espanto". Mas isso não conclama a vitória de um dos lados.

Fatos... Quando nosso filme disseca o Cristianismo como instituição e o compara com religiões anteriores, tal não nega a figura de Deus nem, de forma alguma, deve servir como fator depreciativo da religião em questão. Obviamente, uma instituição tem pontos concordantes com outras anteriores pois, sobretudo, é fruto de seu tempo. Pensem: se um filme dissecar a Democracia grega e notar que temos ali um cerne da exclusão, isso não nos permite denegrir a imagem de um posterior sistema...

Tal visão também deve imperar quando se analisa o sistema político. Não é novidade entendermos que existem falhas no sistema - mas, como bem nos mostra outro filme ("Wakin´ Life"), pensarmos somente em ação não nos permitirá chegar à um bom lugar.

Sucintamente, podemos notar que para que possamos interpretar nosso filme filosoficamente devemos analisar todas as partes e não entregarmos à uma brevidade. O mundo possui problemas sim, em vários setores, mas acalmemos nossos ânimos: se cada um de nós fizermos nossa parte, um interessante futuro é possível. Já pensou que, perto de você mesmo, existe sempre alguém precisando de ajuda? Pense pequeno, para que possas crescer e alcançar o todo.

"A passos longos não subimos montanhas... a passos curtos, sim."

* - Uma teoria da conspiração é precisamente o contrário de uma teoria científica, já que não pode ser desmentida: as provas que comprovariam as teorias são utilizadas pelos seus defensores para provar que os conspiradores são tão perfeitos a ponto de poder camuflá-las. Ou seja... fique de olho!

Ps.: Muitos filósofos já notaram que um grande volume de coisas escritas somente nos servem para chocar: são pilhas e pilhas de folhas sem sentido nenhum - o que os neopositivistas chamavam de "pseudoproposições", por não terem conteúdo. Grandes filósofos, aliás, dedicaram parte de seus escritos para uma "defesa do senso comum", como o grande Moore. Então fica a pergunta: não seria nosso filme digno à entrar na lista de "devaneios e loucuras" sem sentido? Sempre desconfio destes materiais revolucionários demais...

Dedicarei, aliás, um post para a religião - como propiciadora de uma ética.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entrem em contato comigo!

danilosvagera@hotmail.com

Contador